O Imposto de renda retido na fonte (IRRF) é uma forma alternativa da cobrança do imposto de renda normal. Ele começou a ser aplicado em tributos onde não era necessária a identificação do contribuinte. Hoje em dia o IRRF possui três aplicações diferentes.

 Aplicações do IRRF

  • A primeira forma de aplicação dá o direito ao contribuinte de ‘antecipar’ o pagamento do imposto de renda. A pessoa pode recolher o imposto ao longo do ano e declará-lo no final do ano em conjunto com o que falta para pagar. Se o contribuinte for pessoa física, terá direito a uma restituição. Se for pessoa jurídica, o IRRF dá direito a um crédito tributário para a empresa. Esse crédito tributário é um vínculo de pagamento entre o contribuinte e o Estado.
  • A segunda forma de utilização do IRRF dá direito a cobrança exclusiva na fonte. Isso significa que o contribuinte não terá direito a uma restituição, mas pagará um valor menos do imposto já que não estarão somados os valores salariais do mês.
  • A terceira e última forma do IRRF dá o direito a redução do imposto em função de uma determinada operação.

Restituição do imposto de renda retido na fonte

Todos os anos o governo libera uma quantia a ser restituída, e algumas das pessoas que pagam este tipo de imposto são contempladas para receber a restituição. Para saber se o nome do indivíduo se enquadra naquele grupo, é só entrar no site da Receita Federal e consultar.

No site da Receita também é possível ver outras informações, como por exemplo consultar a base de cálculo, entender como funciona o imposto de renda, ver o manual do imposto de renda, com explicação completa, entre outros.